Tuesday, 21 July 2015

Pernambucanos que são ...

--------------. Voltar ou não a Pernambuco é tanto uma certeza, momentânea, quanto um uma questão em aberto, a longo prazo. Porque desde essas poderosas terras de vulcões, cheias de provocações identitárias, centro-americanas, que estou agora, penso contudo e cotidianamente nesse lugar úmido e em brasa nordestino que também se tornou meu, onde hoje me dá terreno para minhas referências - neste jogo permanente de construção/desconstrução dos próprios sentidos.  


















Neste 15/07 estou em El Salvador, logo de uns sete anos sem visitar o lugar paterno, a família descendente dos povos originários pipiles desse centro-periférico do mundo E isso certamente me resultará em outro texto particular e aberto. Mas ainda quero fazer uma última homenagem a esses quatro anos de vivências cheias de aprendizado com a gente e a cultura  de Pernambuco, com tudo o que tem de bom e de ruim neste "maior-Estado-em-linha-reta" do páis ;).  Vai aqui um post único com esses registros que publiquei em separado nas últimas semanas, e mais algumas com outros personagens tão importantes quantos que não tive tempo de fazer um post individual. Essas fotos são a representação, entre super famosos e menos conhecidos, da minha tietagem, admiração, carinho, respeito, e muita, muita mesmo, gratidão ao povo pernambucano. -------------------

Monday, 20 July 2015

Textos Curtos para Ítaca XXXVI (?)

Chove sobre San Salvador
Me fala sobre o que eu não sei, sobre aquela estridente indecisão que te contorna os lapsos, sobre os inconciliáveis pedaços dos meus rastreáveis traços, nas convocatórias sempre abertas por minhas tantas mil rachaduras. É assim: na portinha que se abre pra-um-qualquer lado, pro espaço em que te acreditas profunda, há obvias sendas lotadas de numerosas quantidades de gotas de ontem. Formam-se lagos dos antes vulcões, e te afundas. Nesta cidade sitiada pela tristeza eu sonho com teu voo, tu voas com meu sonho. Na minha memória és grito tanto, serena toda. Inúmeras sortes de turbas, de balas, de danças de Kab-Rakan movendo a terra, e um repouso. Máculas, apesar de bálsamos; ventos, em lugar de flores. Há dez mil rodopios, um assobio, e inúmeros trovões.

Wednesday, 8 July 2015

Pura Vida! Primeros registros/impresiones

Una semana por aquí, ahora tengo mi “chante” en Costa Rica. Aún con problemitas, pero bueno… Es un apartamento de cortinas rojas, en Heredia, una municipalidad muy cerca de “Chepelandia” (San Jose), que para fines de una referencia, entre otras que la jornada me ha permitido tener, esta como la distancia, y relación, entre Recife y Olinda, o San Salvador/Santa Tecla.
Una semana es un tiempo cronológico corto, pero no cuando uno ha mudado de país. En 10 años, por cuenta de muchas elecciones duras y alguna suerte,  logré la posibilidad de vivir en cinco países distintos, y me di cuenta que cuando estamos en situación donde todo es el nuevo (pero nuevo de verdad!), la percepción cabia y el tiempo es que nos parece más largo, el tiempo se tarda más: cada esquinita es un aprendizaje, cada forma de dirigirse al otro, la forma de pagar un bus, la ida al supermercado; todo aquello que es obvio al diario se hace un enorme reto y aprendizaje que se tiene que ir procesando. Y esto cuando uno maneja relativamente bien el idioma suaviza el proceso, pero cuando no se conoce la lengua (y esto lo he hecho cuando me fui a vivir en Londres) vaya dios…
El comienzo de vida en otro país nunca es plenamente tranquilo, por más experiencia que uno tenga como viajero, y la grande ventaja de esa experiencia - esto si – es saber que la universalización de las propias referencias de uno es un error, que el respeto real al otro exige una autocrítica constante y genuina, que el habito de buscar las diferencias del otro e intentar hacer generalizaciones de sus características es siempre un peligro y casi siempre también un error.
Las descubiertas de lo nuevo (al vivir, y no al visitar…) hacen de la cosa toda una adicción a la cual unos se entregan sabiendo que la llegada, sea donde sea y esté donde esté, se convierte casi un detalle de este proceso. La jornada es particularmente una poderosa y conocida metáfora del encuentro de uno consigo mismo, y el registro de las primeras cosas que llaman la atención es un documento personal, etnográfico, de memoria histórica y de cartografías del presente y del futuro a la vez.


  •         Oficial de imigração no Aeroporto Internacional da Costa Rica:
-quanto tempo se va a quedar?
- seis meses.
- seis meses?
- si, es para una pasantía de investigación doctoral en la UNA.
- hmm, asi ´que la UNA ahora tiene prestigio internacional entonces?
- (…)

  •      O tempo agora é frequentemente nublado, época de chuvas, tropicalmente típico tal qual o meu Brasil nordestino, mas cinza, que esconde um calor forte-mas-nem-tanto, que dispensa o ventilador, chegando a fazer um friozinho real à noite, beeem diferente de “Hellcife”.

  •         Na primeira caminhada buscando onde fazer o primeiro almoço, passo por uma “popuseria”, 100% salvadorenha, y casi si me viene una lagrimita... Los guanacos entenderán.

  •            Comparado com o Centro de San Salvador, o Centro de San José é um exemplo de organização.

  •         Atenção e solidariedade parecem mesmo ser marcas gerais dxs centroamericanxs. Chino, Silvia, Nelise, Victor e Fran são nomes que o comprovam.

  •        “Gallo Pinto”, ou arroz y frijoles revueltos, faz parte do café da manhã típico em Costa Rica, assim como em outras partes da região, com nomes distintos.

  •         Todo o entorno da cidade de San José é rodeado por montanhas. Se pode ve-las desde muitos lugares, inclusive do meu apartamento. De longo se avista inclusive um vulcão.  Fui a uma região de montanhas onde mora Silvia, uma hora do centro da cidade, e wow....

  •         Diferentemente de El Salvador, e de Recife, em todos esses dias andando de ônibus vi apenas um vendedor que se aventurou dentro do transporte, e na verdade era um dos que pedem contribuições para manter casa de recuperação de drogados...Aliás o transporte público, apesar de algumas linhas terem veículos bastante velhos, parece ser no geral bom.

  •         A sensação de inseguridade é baixa, e ai de novo comparado com El Salvador, é muuuito baixa.

  •         Dar sinal para dobrar não é uma obviedade para os motoristas e pedestres da Costa Rica. Pensei que era uma impressão boba e sem fundamento a princípio, mas conversando com ticxs realmente a coisa é assim. Estranho e perigoso.

  •         Minha centroamericanidade tipicamente salvadorenha se revela no uso da expressão “cabal”, que não é falada por aqui.

  •         Os/as Ticxs se referem aos outros países da região como “Centroamérica”, excluindo-se, ou seja, fazendo referencia especificamente aos países da região CA-4 (El Salvador, Nicarágua, Honduras e Guatemala). Algo assim como um inglês referindo-se a UK e Europa como se fossem coisas distintas, embora neste caso realmente haja um mar entre eles pelo menos. Centroamérica, aqui, parece ser realmente o outro dos Ticxs.

  •        Expressão tipicamente tica, costarriquenha, “pura vida” é polissémica e usada em muitos contextos, desde um cumprimento qualquer até uma manifestação de alegria.

  •         Lxs Latinoamericanxs son guapisimxs!






Friday, 5 June 2015

Sunday, 18 January 2015

Friday, 2 January 2015

entrevistas a TeleSur

Em 2014 eu tive a oportunidade de pela primeira vez, por conta da jornada acadêmica em que embarcamos, ser o entrevistado e não quem entrevista, comentando as eleições presidenciais brasileiras.
 E toda a minha falta de experiência na inversão de papéis se manifesta nos links abaixo, que deixo aqui em registro, de todo modo, neste meu arquivo pessoal online, para que não os perca na rede e me acrescente ao aprendizado.
Foram dois comentários ao vivo para o canal TeleSur, da Venezuela, meio de comunicação latino-americano e latino-americanista cujo trabalho respeito, e assim foi um realmente um privilégio a oportunidade.

1- entrevista ao final do 1 turno: http://multimedia.telesurtv.net/web/telesur/#!es/video/disputa-cerrada-para-segunda-vuelta-electoral-en-brasil-analista

video
2- entrevista logo do 2 turno, com vitória da Dilma: http://multimedia.telesurtv.net/web/telesur/#!es/video/reeleccion-de-rousseff-respaldo-de-brasilenos-a-lulismo-analista

video

Monday, 29 December 2014

Textos Curtos para Ítaca XXXII (?)

Inexpressões
 
Cactos e flores roxas em São Paulo.

Visões antifuturistas na Paraíba.

Sons de trens.

Metades British-catalanas, respirações centro-americanas.

Real de Recife.

O real é formado por imaginados

O imaginário é formado pelos sentimentos dominando as percepções.

O espiral de viadutos é real. O que se parece um boliviano sentando ao vão com sua namorada que-não-se-sabe-de-onde-é para fazer uma selfie ainda é real.

E também o é, imediatamente à direita – assim que estou ao meio – o senhor franzino e grisalho de fisionomia oriental preenchendo o ar com os sopros do seu cigarro fétido.

Assim que estou ao meio.

Tudo que acontece aqui é real e imaginado.

Mas até agora nenhum vendedor ambulante, só cicatrizes: “Andei só pela noite” / “Mica Jairo J.” / “4.20” / “Vergonha” / “Transporte Público Gratuito”/ “Tay Dell” /

É real e imaginado a onomatopeia do sapato tocando a pedra ao saltar ao solo levando um indivíduo com camisa-pra-dentro-das-calças com ele.

São muitos atores, são muitas ausências.

O ritmo do coco é poder enquanto te imagino, realmente, do outro lado do Capibaribe.

Também quis olhar para baixo a cada espaço deixado entre os grupos de pessoas sentadas.

Só de curioso, só por impulso.

 Mas é feroz dos dois lados a passagem de onde posso ver tudo desse singular interim.

Pequenos textos são um alívio avulso.

Agora já são dois vendedores ambulantes; um de doce, uma de pulseiras, que ofereceram à minha direita e à minha esquerda, mas não a mim.

Assim que estou ao meio.

E este é um fim.

Friday, 12 December 2014

"para que não se esqueca, para que nunca mais aconteça"

Apesar das lacunas, criticadas até por militantes históricos de Direitos Humanos no Brasil, a entrega do informe da Comissão Nacional da Verdade (CNV), no dia 10 de dezembro de 2014, é um marco inconteste do processo de democratização do país, especialmente diante da conjuntura presente, logo de mais de três décadas de obscurantismo.

  Logo de uma eleição federal complexa, polêmica e polarizada em larga medida, vê-se cidadãos, de percepção política atrasada ou de deliberada má-fé, que... vão às ruas brasileiras pedindo pateticamente uma intervenção militar na condução política nacional. Por isso trazer à luz agora, oficialmente, as denúncias dos abusos e atrocidades realizadas nos períodos de regimes autoritários é essencial. 

 Como disse o presidente da CNV, Pedro Dallari, "o informe da Comissão acaba com qualquer nostalgia da ditadura"; explica principalmente aos mais jovens, e de todxs aqueles que não vivemos diretamente, onde me incluo, as violências do autoritarismo institucional no país, os malefícios do seu legado, que nos afeta a todxs no Brasil.

  O informe da CNV deve dar terreno para um novo período de lutas contra a impunidade e a favor da justiça no Brasil, baseada na denúncia das dívidas históricas do Estado brasileiro. A agenda de uma profunda reforma política, através de uma Constituinte, ganha força, e já há rumores de que inclusive no Supremo Tribunal Federal há margem para afastar, por fim, os obstáculos jurídicos à penalização dos violadores dos Direitos Humanos e da democracia no Brasil, como a própria Lei da Anistia.

Ao longo dos anos, pelo menos desde 2008, tenho acompanhado as discussões sobre Memória Histórica e Justiça de Transição, principalmente em El Salvador e no Brasil, nos meus dois países onde, igualmente, a lei de anistia é uma grande barreira. Tenho desde então escrito algo sobre os temas, deixo aqui e nos comentários alguns links de exemplos dessas pequenas contribuições:


Monday, 27 October 2014

Esqueça as eleições, agora faça politica!

Texto publicado no portal O SOPAPO

Dilma se reelegeu nas eleições presidenciais brasileiras 2014 e isso representa um alivio, embora muitos, legitimamente, não concordem com o adjetivo. O voto nulo tem fundamento e é respeitado, mas mesmo como posição tática ainda me é difícil pensar como sustenta-lo em termos de luta institucional. Mais fácil quando abdicamos totalmente da disputa nessa esfera em nome de outras onde, provavelmente aliás, as energias são canalizadas para fins políticos melhores. Mas hoje não foi esse o caso.

Na reeleição de Dilma e do PT e de suas alianças ainda prevalece a tese do mal menor, sabendo-se qual era a outra opção que tínhamos - um PT em vez de um PSDB ainda é boa notícia para o Brasil e talvez principalmente para a integração, e não apenas a comercial, da América Latina.

 No entanto, a sensação de alivio do “terror” tucano é um exagero quando, baixado o calor do processo eleitoral, confrontarmos concretamente nossos desafios e formos capazes de ver que política não é só festa. Por isso recém acabada a eleição, como primeiríssimo ponto de análise,  pra quem se preocupa em superar o maniqueísmo binário embrutecedor, já  é preciso reafirmar que os setores progressistas do Brasil não podem apenas celebrar a vitória de Dilma sem estabelecer uma reflexão-ação crítica sobre a conjuntura política do Brasil, sem exercitar imaginação emancipatória sobre os desafios sociais que o país possui e que, em larga medida, não são enfrentados pelo PT, e menos por suas alianças partidárias.

Essa eleição foi, em larga medida, uma disputa entre os legados de Lula (pacto social: neodesenvolmentismo que facilita algumas conquistas sociais mas sem a existência de um vigoroso movimento popular, ou dito de outra forma, crescimento com distribuição de renda, em que os ricos ficam mais ricos e os pobres, menos pobres) e de FHC (neoliberalismo pesado: monetarismo que sacrifica a redução da pobreza para garantir estabilidade ).

Não podemos apenas insistir em afirmar o suposto talento político de Lula, que incidiu no novo protagonismo brasileiro na cena internacional, no caráter bem-sucedido de seu capitalismo de Estado. E tampouco podemos negar conquistas desses governos lulistas, ou dizer que foram simples consequências naturais de decisões tomadas por governos anteriores, ou que a corrupção teria tido, apenas agora, um nível superior, portanto deslegitimador.

O lulismo definiu-se por promover, ao mesmo tempo, um tipo de Estado propulsor de processos de crescimento com ampliação de sistemas de proteção social, do aumento real do salário mínimo e incentivo ao consumo, (sim, o consumo! Sempre o consumo... ao invés da distribuição da riqueza para atacar radicalmente a desigualdade), e ser um  facilitador da reconstrução do empresariado nacional em seus desejos de globalização. Vê-se ai, como bem apontou certa vez Vladimir Safatle, que se consolidou a função do BNDES como grande financiador do capitalismo nacional.

Ainda assim, e por isso mesmo, a vitória de Dilma é uma consagração do lulismo e do partido de governo. 1ª manifestação do discurso de Dilma reeleita: saudar a Lula (“militante número 1 das causas do povo brasileiro”). O PT de Lula, porém, tornou-se o partido executor da versão atenuada de modelo econômico da direita, aliviando as dificuldades materiais sem mudar a ordem social desigual e injusta. Mas o que vem agora que é quando começa a política de verdade?

“Hacia adelante”

Confirmou-se que esta foi a mais disputada e polarizada eleição presidencial brasileira, talvez mais que o emblemático pleito de 1989, da redemocratização do país, quando o PT e o Lula eram outros.

A derrota de Aécio em MG, estado em que foi duas vezes governador, e a vitória forte de Dilma em todo os estados do NE são tópicos importantes das características desse pleito.

E vale a pena destacar a marcada degradação do PSB como um partido que, ao tentar deixar de ser uma linha auxiliar do PT, moveu-se parece que em definitivo para a direita.

Também tivemos um considerável número do “não-voto” (30% no 1º  turno e 28% no 2º turno) mas num quadro não muito diferente das eleições de 2010, embora esses números demonstrem, isso sim, que há pelo menos um alto grau de desconfiança por parte do eleitorado brasileiro em relação à classe política.

Mas fundamentalmente importa pensar que nesse modelo petista de Estado, o aumento da renda dos trabalhadores, a formalização do trabalho, com o desemprego mantido em patamares historicamente baixos, e os programas sociais a partir de instrumentos econômicos tradicionais provocaram a badalada redução da pobreza nos últimos anos, mas há uma desaceleração do crescimento que gera dilemas.

Nesse modelo a ordem é crescer como se não houvesse amanhã (literalmente, porque ignora os limites ambientais do país) e produzir, ao invés de cidadãos, consumidores, entre os desafios neste campo está o de aumentar a participação indústria no PIB, que vai baixando nos últimos dez anos (19% 2004 e 13% 2013). E para o PT manter uma meta da inflação de 4.5%, que o tucanato já considera alto, será difícil não reajustar preços administrados, como combustíveis e energia. É possível que ajustes fiscais tenham impacto sobre o “sagrado” emprego. Dilma vai precisar implantar medidas estruturais na infraestrutura produtiva brasileira.

A retórica de que o Brasil saiu desta eleição mais dividido é contestada, mas as dificuldades de conciliação entre polarizados projetos de elites é real. Dilma fez o conhecido discurso de conciliação na comemoração da vitória. A margem de manobra para composição do governo, contudo, será pequena, e enfrentará grande oposição. A própria a proposta de plebiscito para uma reforma política, que Dilma apontou como “a primeira e mais importante” já foi apresentada pelo governo e o congresso recusou.  Um dos grandes paradoxos do PT, por conta das opções políticas que fez ao longo das suas gestões e em nome da governabilidade, é que hoje ele tem menos condições de promover grandes reformas.

 E por isso deveria ser preocupante especialmente para o PT o esgotamento desse tipo de crescimento brasileiro. Porque nesse contexto, em que vai depender ainda mais das alianças mais reacionárias que já lhe são caras, como latifúndio, agrobusiness, empreiteiras, bancada neopentecostal, pode haver um ataque especulativo contra o país, jogado nos braços do “mercado financeiro” e diminuindo, no curto prazo, os espaços para demandas sociais urgentes. Vai ficar para as ruas conquistarem a agenda social restante.

Não há indicio de que nenhuma das pautas sociais sairá de iniciativas do Planalto e sim das bases sociais que estão para além da tal da governabilidade. O Partido dos Trabalhadores em 12 anos de governo sequer tentou mudar os marcos institucionais e constitucionais dos governos neoliberais que o antecederam – a exemplo do que fizeram outras nações latino-americanas com governos progressistas. Diz ter feito o que podia nas condições que encontrou, nas regras do jogo, mas fez quase nada para transformar essas regras. E por isso mesmo seu espaço de manobra se reduziu a medida que aumentou sua adaptação à ordem que supostamente quereria alterar.

No movimento popular brasileiro, por sua vez, há uma crise de projeto, pois não aderem plenamente ao lulismo e tampouco parecem querer rompem com o mesmo governo. Mas é cada vez mais evidente, também, que a construção dessa outra ordem, elaborada enquanto se a faz, dependerá ainda mais das conquistas ruas, com ou sem o apoio da esquerda oficial.

Para reais lutadores sociais a pauta emancipatória é conhecida: saúde e a educação públicas como prioridade, ampla reforma política descriminalização das drogas e do aborto, defesa dos direitos LGBT, promoção de igualdade e autonomia das mulheres, ampliação do direito à moradia e à cidade, reforma agrária, democratização da comunicação, demarcação das terras indígenas e ampliação do controle social e da participação popular nas decisões políticas. É assim que se muda mais, é assim que se veste vermelho.